Projeção indica que 1 milhão de vagas formais poderão ser criadas em 2018.

por Antonio Daniel da Silva publicado 15/01/2018 11h52, última modificação 15/01/2018 11h52

Especialistas avaliam que com a melhora do mercado de trabalho em 2018, a tendência é que o País crie 1 milhão de vagas formais. Eles observam que com a economia crescendo, as contratações serão reaquecidas. Eles entendem que a reforma trabalhista pode trazer profissionais para a formalidade.

Conforme a projeção da Tendências Consultoria Integrada, o saldo positivo do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) deve ficar em 1 milhão de vagas neste ano. Para a Pnad Contínua, a previsão é que a taxa média de desemprego fique em 12,4%, abaixo dos 12,7% esperados para 2017.

A explicação para uma queda tímida na Pnad Contínua decorre do movimento esperado de aumento da População Econômica Ativa (PEA). Com a melhora da economia, mais brasileiros devem voltar a buscar emprego, o que limita o recuo da taxa de desemprego.

O cenário do Instituto Brasileiro de Economia, da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV) para a taxa de desemprego é igual ao da Tendências: desocupação média de 12,4% e 11,5% no último trimestre. “Há boa chance de o mercado de trabalho surpreender este ano”, diz o pesquisador do Ibre/FGV Fernando de Holanda Barbosa Filho.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, tem visão mais otimista que a de especialistas consultados. Ele disse nesse sábado (13) que serão criadas cerca de 2,5 milhões de vagas formais em 2018.

Segundo o ministro, a “continuada divulgação” de bons indicadores da economia mostrará à população que o crescimento econômico seguirá, independentemente do rebaixamento da nota de crédito soberano do Brasil pela agência de classificação de risco Standard & Poor’s.

 


Publicado em Política em foco, por Blog Política em Foco.

Adicionar Comentário

Você pode adicionar um comentário preenchendo o formulário a seguir. Campo de texto simples. Endereços web e e-mail são transformados em links clicáveis.